1 de janeiro de 2013

EU ACREDITAVA ...



Jeff Foster


"Eu costumava “ACREDITAR”...
que estava iluminado 
e que os outros não estavam.
QUÃO IRÔNICO.

Eu costumava “ACREDITAR”...
que "não havia ninguém" para se iluminar
que todos os ensinamentos espirituais eram falsos e dualistas.
Que a “não-dualidade" era o único e verdadeiro ensinamento.
QUÃO ARROGANTE.

Eu costumava “ACREDITAR”...
que "não havia ninguém" que pudesse despertar.
"Nada para fazer, nem para aonde ir", era o meu novo "mantra espiritual".
QUÃO SIMPLISTA.

Eu costumava “ACREDITAR”...
que não havia tempo nem espaço
e nenhuma possibilidade de mudança qualquer.
QUÃO NIILISTA.

Eu costumava “ACREDITAR”... 
Que não havia um "eu" que acreditasse em tal coisa. 
*abro um parênteses: (A CRENÇA DA NÃO CRENÇA???)
QUÃO INOCENTE...

Despertar não significa se fixar rigidamente em determinado "sistema", e ficar regurgitando constantemente para os outros ouvirem.
*abro outro parênteses: (PALAVRAS MORTAS???) 

Despertar significa olhar claramente além da crença.
Significa encarar a vida sem medo, sem tentar se auto-proteger.
Significa mergulhar na profunda aceitação de cada momento.
Significa deixar para trás todas as idéias acerca de si mesmo.
INCLUINDO A IDÉIA DE QUE SE PODE CHEGAR AO FIM DO CAMINHO.

Nós nunca chegamos ao fim
nós somos apenas Agora
Este é o grande gume da faca do despertar.

É tão fácil cair. Eu mesmo caí muitas vezes. Eu vi a queda dos outros e sigo vendo-os cair.

A GRANDE HUMILDADE ESTÁ EM RECONHECER QUE NÃO SABEMOS NADA.

E que o despertar jamais ocorreu a "mim".

Jeff Foster 


Um comentário:

Lilian Amorim (Amida Prem) disse...

Grata amigo por esta jóia!! Amei!!
Feliz Ano Novo , muita luz e muita paz!! Namaste!